quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Deslocar


Hoje, no Pará, preenchem os currículos de ensino de algumas disciplinas conteúdos como: colonização na Amazônia, Ciclo da borracha, grandes projetos, e outros ainda relacionados à história local, no intuito de aproximar os alunos dos processos por que passa e passou a região. Na escola alguns alunos mais sensibilizados, do que outros, como em todas as disciplinas, em geral passa-se adiante. Como que uma história distante, muitas vezes de mãos dadas com a fadiga da transmissão de um conteúdo que em nada se parece ou influência em quem transmiti ou escuta, com algumas exceções, claro.
A apreensão destes conhecimentos pode motivar em alguns alunos inúmeras questões, curiosidades, como em mim durante toda minha formação.  Mas uma pergunta nunca havia me ocorrido, quem será que conta os fatos da forma como nos é passado na escola? Nunca teria me feito tal pergunta se eu não tivesse a oportunidade de ter contato com uma outra forma de apreende-los. Com os olhos de quem vive, com as marcas do chão que teve de acolhê-los.
No amanhecer do dia 24 de outubro, a luz do sol que parecia muito mais intensa refletida em um mundo de águas emoldurada pela terra vermelha tomou conta de todo o ônibus em que estávamos, assim como o significado de toda aquela água, de tanto concreto, das casinhas vermelhas de terra abandonadas à sorte na beira da estrada, do nosso ponto de chegada. Dormimos em Belém, acordamos em Tucuruí. A paisagem tão diferente da que deixamos pra trás era indiferente aos olhos curiosos. Terra vermelha da sensação do eterno inacabado, a poeira nas janelas por onde assistimos a tal “cicatriz aberta da floresta” se revelar aos nossos olhos. Balança daqui, balança dali, Transamazônica.
Assustando quem vivencia a estrada por jornais globais, nada de asfalto exceto em alguns pequenos trechos, intrafegável por qualquer inexperiência, acredito. Chegamos a Anapu, memórias de jornal mais perto do que nunca. Em uma travessia de balsa tivemos que sair do ônibus, foi quando conhecemos o vendedor de castanhas que nos recepcionava, com o tabuleiro de seu produto: quer castanha? Mikey andarilho da floresta, nem que seja só nos chinelinhos tamanho 27 do vendedor. “O que tu mais gostas de fazer por aqui meu amigo, brincar?” “Vender, ora”. “E tu não gostas de brincar (reparem na ingenuidade do entrevistador)?” “Eu até gosto, mas gosto mais de vender, me da uma moeda pra eu comprar coca-cola?.”
Na travessia, o calor convidou a atravessar o rio “morcegando” a balsa, a consciência civilizada urbana disse ser impossível, pra mim provavelmente era. Tivemos que assistir a deliciosa travessia, de quem era expert no assunto, pingando de suor e inveja. Do outro lado, estrada parada como já informara o vendedor. Moradores do município de Vitória do Xingu em manifestação contra o prefeito corrupto. Comida, música, um sol escaldante e muita determinação pela prisão do ladrão. Pelo visto as coisas fervem do lado de cá da existência.
A melancolia da viagem passou a partir daí a dar lugar a certa agonia, e coragem. Tínhamos companhia. Fim do protesto, rumo a Altamira! Chegando lá, mais ou menos como esperava, média cidade na região, tem quase a mesma cara. Certo? Era preciso sentir Altamira. O que foi possível depois de nos acomodarmos no alojamento. O alojamento infelizmente só tinha um banheiro, foi então que as águas do Xingu nos chamaram pela segunda vez. E desta não resistimos.
Já no seminário, de público formado em grande maioria por indígenas, conhecemos “as vozes não consideradas”, e também as línguas resistentes, as feições tão familiares, de um povo tão distinto e junto por um motivo. Foi aí que percebi. Estamos sendo aqui representados como nunca por essas vozes. Consideradas por muitos atrasadas e inferiores. Houve para mim naquele instante um deslocamento profundo do referencial de representatividade. Aquelas canções, danças, gritos, mesmo em línguas diferentes acolhem nossos anseios de respeito, justiça, sensibilidade.

2 comentários:

  1. Agora calcula estar morando aqui, trabalhando com agricultores, indo ao supermercado e encontrando os trabalhadores da tal obra falando contigo para tentar trocar o vale alimentação que ganham por dinheiro. Ver todo dia mais gente chegando na cidade, o rio pedindo socorro, me olhando... E ver/ouvir comentários do tipo "isso (barragem) sim vai trazer melhorias pra nós"
    Estar aqui é experiência de vida.
    Xingu Vivo, seguimos na luta!

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, estar aí é uma das maiores experiências de vida que alguém pode ter, não só pela grandeza do monstro, mas pela beleza do lugar, a história, as pessoas! Pra gente que passou dias aí foi, não dá nem pra imaginar o que passas diáriamente... Bem que podias compartilhar tua experiência em forma de texto, imagem, etc. na nossa próxima edição, não? =D
    Espero que aceites!

    e claro, sempre em luta!
    Xingu Vivo!

    Abraços

    ResponderExcluir